BEM VINDOS AO BLOG DO SÃO ROCK


Nossa História

Em junho de 2005, seis amigos se reuniram para comemorar seus aniversários, que por coincidência dos deuses do rock, eram todos na mesma semana. Resolveram chamar a banda de um amigo de Crato (Michel Macêdo, da Glory Fate). Também chamaram duas bandas locais (SKP e ET Heads), e fizeram a trilha sonora desta festa, que a princípio era exclusiva a aniversariantes e seus amigos. Sem querer, nascia ali o festival SÃO ROCK – o dia em que o rock foi pro brejo!
O sucesso da primeira edição obrigou uma continuação. Dois anos depois, já em 2007, veio a segunda edição, agora com a participação de bandas de Fortaleza, e aberto ao público. O sucesso consolidou o evento, e perpetuou essa data no calendário do rock cearense.
Pelo festival já passaram nomes de peso no cenário cearense, como Artur Menezes, Felipe Cazaux, Caco de Vidro, banda One, Killer Queen, Glory Fate, Zeppelin Blues, Renegados, banda Void e tantos outros que abrilhantaram noites inesquecíveis, regadas à amizade, alegria e o bom e velho rock´n´roll.
Hoje, o que se iniciou com um simples aniversário, tomou enormes proporções, estendendo seus ramos, diversificando os estilos e abrindo espaço para mais e mais bandas que querem mostrar seu talento em nossa terra. Agora são duas noites de festival, além da Caldeira do Rock, que leva bandas alternativas para a praça pública, numa celebração maravilhosa, onde congregamos amigos de todas as cidades circunvizinhas e de outros estados, irmanados pelo amor ao rock.
Não para por aí. Queremos tornar o São Rock uma marca que não promova apenas um festival anual, mas que seja um verdadeiro tablado que promova eventos de rock durante todo o ano! Assim, poderemos desfrutar do convívio saudável e também marcar nossa presença, dizer que temos voz e vez, numa cultura tão massificada por músicas desprezíveis e por gêneros impostos ao povo! Fomos, somos e sempre seremos roqueiros!
Portanto, venha participar dessa irmandade, apóie, divulgue, patrocine essa idéia, e seja mais um que ajuda a construir esse espaço!

Esse é o BLOG oficial do festival SÃO ROCK, que ocorre todo ano em Brejo Santo - Ceará. Criado "acidentalmente" por aniversariantes que comemoram na mesma semana e que se uniram para fazer uma única celebração voltada ao nosso gosto músical o ROCK. Além disso o blog divulga noticias e eventos nacionais e internacionais, além de ajudar na promoção cultural da região. Sobre tudo é uma apologia a amizade.




CARIRI VEÍCULOS

CARIRI VEÍCULOS

Impacto Skate Shop

Impacto Skate Shop
Uma loja diferenciada pra você

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

A MÁTRIA: Uma breve história do Rock’n Roll em Brejo Santo.

Não é todo dia que uma banda completa trinta anos de carreira em pura atividade. Em setembro de 1982, um grupo de amigos, loucos por rock’n roll, se juntam pra fazer um som e tentar realizar um sonho: a primeira apresentação da banda (que até então, chamavam-se: “As Cadeirinhas da Vovó”) num festival de música na Universidade Federal Rural em Seropédica – RJ, onde suas músicas foram desclassificadas. Após muita conversa, autorizaram o grupo a se apresentarem no intervalo enquanto o júri deliberava. O baterista não pôde comparecer, e aí entra um cara que tocava numa banda cover dos Beatles: Estava então formado “Os Paralamas do Sucesso”. Depois desse episódio, o grupo já lançou discos na Américo do Sul, Estados Unidos e Europa. Em Brejo Santo, interior do Ceará, mais precisamente na região do Cariri; dois amigos, desde a adolescência foram fisgados pelo cupido do amor á música, e tiveram uma empatia desde cedo pelos Paralamas. E o mais inusitado... É que a história se repetiu um pouco. Eles sempre quiseram montar um grupo para antes de tudo, tocar músicas “paralâmicas”, mas nunca encontravam um “batera” que tivesse o feeling de João Barone. Depois de se apresentarem pela primeira vez na semana cultural do colégio Pe. Viana em Brejo Santo, passaram por um grupo de pagode,  onde ganharam uma forte experiência em palco e em shows; Daniel Zacarias foi para São Paulo trabalhar, e lá tocou com o Villas, conseguindo entrar na cena paulistana, se apresentando em festivais locais e etc. Paulo Henrique, que já tinha participado e ajudado a fundar alguns grupos como por exemplo: uma banda que nem chegou a ter nome, em meados de 1992 e que durou até 1993: Com Paulo Henrique na guitarra e vocais, Arleks Batista no baixo e Jader Vasconcelos na bateria. Em 1994, junto com Cleodon Farias na bateria, Cícero Pescoção no baixo e Rogério (Um amigo em comum) nos teclados, formaram Os Panteras. Isso mesmo, uma singela homenagem à primeira banda do pai do rock nacional. Já nos anos 2000 fundou o grupo “Nóis e os Caba”, formado por Chibata na percussão e Régis no violão, com Paulo Henrique assumindo o violão e vocais em estilo mais intimista e voltado para a MPB; esta por sua vez, mudando em pouco tempo para “Moldura Pop”. Depois, formou-se o “Reggra 3”, permanecendo com a mesma formação de Nóis e os Caba, tendo  Sérgio no baixo. Resolveram então ingressar no universo do reggae, passando por este grupo, vários músicos locais até tocarem com casa cheia e no auge do bar Flor de Pequi, em Crato, celeiro da cultura caririense. Daniel Zacarias retorna do sudeste e assume o baixo no Reggra 3, mas pouco tempo depois a banda finaliza suas atividades. Decidiram formar uma banda com os amigos de infância, realizando um sonho antigo: juntar a galera pra tocar rock in roll! Tava fundada a Dona Chicá; composta por Paulo Henrique na guitarra e voz, Daniel Zacarias na bateria e Weine Celião no baixo. O nome Dona Chicá surgiu, se não me engano, por sugestão de Wilker Celião, irmão de Weine e é sobre a história de um amigo em comum chamado “Paulo “Fí” do Cão”; ele chamava a mãe de Miguel Caracuí (outro amigo em comum) de dona Chicá sendo que, ela chama-se Chicô, Rs! Com vários ensaios alcoólicos na casa de Daniel Zacarias e alguns shows no SerTão Bom Restô e no Super São Jorge, entra na banda o guru e luthier, Ciderly Bezerra para completar o casting guitarreiro. Ciderly Bezerra além de ter postado suas criações na resvista Guitar Player, participou da formação do “The Wizard”, primeira banda de rock de Brejo Santo. Esta, formada no início dos anos 90, contava com a participação de Ciderly Bezerra na guitarra e vocais, Fábio Leal, no baixo (posteriormente substituído por Hélio Júnior) e George Vaconcelos na bateria; sem contar os grupos de jovem guarda das décadas de 60 e 70. A Dona Chicá chegou a se apresentar em Sousa, na Paraíba e em algumas edições do São Rock. Também tivemos o “Elefante Branco”, banda da qual Paulo Henrique também fez parte, assumindo os vocais e dividindo as guitarras com Ciderly Bezerra e que, após a sua saída, a banda ainda permanece em atividade, hoje tendo na sua formação: Ciderly Bezerra (nas guitarras), Rodolfo Zacarias (baixo e vocal) e Wellen Araújo (na bateria), passando então a se chamar “Sour Mash”. 
Bem, depois desse giro pela cena musical de Brejo Santo, finalmente chegamos ao ponto chave: Forma-se a Mátria: Um tributo aos Paralamas do Sucesso. 

A história sobre a formação dos Paralamas se repetiu em parte na formação desse grupo local. Paulo Henrique e Daniel Zacarias decidem colocar em prática o antigo plano de formar uma banda, cujo, principal objetivo é: Tocar música nacional! Realizando dentro do repertório, um tributo à banda carioca que foi a primeira à incorporar elementos brasileiros ao rock tradicional “estrangeiro”. Ao perceberem um carinha novo que tocava bateria com uma pegada surpreendente, decidiram convidá-lo a participar do projeto e o mesmo topou na hora. Os primeiros ensaios aconteceram. Com o entrosamento, eles foram definindo a personalidade do conjunto e chegaram a um hibridismo com a melhor qualidade musical até então na história do rock in roll da região do Cariri. Um ponto inovador foi à entrada de músicos para formar o naipe de metais: O maestro Agnete Leite de Figueiredo Neto no trompete e seu irmão Agledson Lacerda Sá no saxofone. Músicos integrantes da quase centenária banda de música: Maestro Olívio Lopes Angelim. 
O nome “Mátria”, segundo Paulo Henrique: “Mátria é uma expressão usada por Caetano Veloso na música Língua: “A língua é minha pátria/ E eu não tenho pátria, tenho mátria/ E quero frátria/ Poesia concreta, prosa caótica/ Ótica futura”. E também de um texto do Padre Antônio Vieira: “Se a pátria se derivara da terra, que é a mãe que nos cria, havia-se de chamar mátria.” Então o termo Mátria, vem dessa brincadeira de colocar o gênero feminino á “pátria”. “Achamos que tem tudo a ver, já que o propósito é tocar rock tupiniquim!”, explica. 

O início da história foi escrito, aguardemos os demais fatos! O próximo capítulo será a estréia da banda na celebração do aniversário de José Moreira de Sousa, o eterno Zé Podão (in memorian). Dia 28 de dezembro, no Clube do Racha, em Brejo Santo – Cariri – Ceará! 

Banda Mátria: 

Paulo Henrique: Guitarra e Voz; 
Daniel Zacarias: Baixo;
Wellen Araújo: Bateria;
Agnete Neto: Trompete;
Agledson Lacerda: Saxofone.


Vamos à entrevista:

 - São Rock: Como surgiu a idéia do projeto em homenagem aos Paralamas?
- Paulo Henrique: Bom, esse projeto já era um sonho que eu e Daniel alimentavámos desde quando começamos a tocar juntos. Nós já tínhamos até dado o ponta pé inicial há alguns anos atrás, mas por falta de experiência e por conta de outros fatores, resolvemos partir para outros projetos.  
- Daniel: Na verdade sempre faltava alguém pra compôr o trio, sempre que pensávamos em fazer algo a gente tinha uma certeza: o ponto de partida seria tocar Paralamas e enfim conseguimos a formação idealizada. SEJA BEM VINDO WELLEN.
-Wellen:  Bom, recebi o convite de Paulo e vi que seria um grande desafio, levando em consideração o fato de não ser o meu estilo musical, mesmo assim, aceitei levando em conta a experiência nova e a vontade de tocar.

- SR: Como vocês conheceram os Paralamas?
- Paulo Henrique: Cara, conheci os paralamas através de um amigo que tinha o “Selvagem?” e foi amor a primeira vista. O curioso é que até então, eu não ouvia música brasileira, e esse disco é que despertou-me para a música brasileira e para os outros ritmos.
-Wellen: Conheci os Paralamas através do destaque de João Barone como baterista em uma revista especializada, onde o mesmo foi considerado como um dos melhores bateristas do Brasil.

- SR: Vocês tem idéia de qual será o nome do projeto? Já pensam na primeira apresentação?
- Paulo Henrique: Não, ainda não temos um nome específico, mas estamos trabalhando nisso. Quanto a apresentação, também não temos nada em vista, pelo menos não para agora, até porquê, começamos os ensaios a pouquíssimo tempo.
- Daniel: Essa é dificil, às vezes um nome faz sentido pra mim mas não pra outro e também pode ser que eu não comungue da sugestão dele e por aí vai... mas espero que escolhamos sem pressa e que haja um significado para todos.

- SR: Paulo, Quais suas influências?
- Paulo Henrique: Bom, além dos paralamas, claro! Eu ouço muito: Barão vermelho, titãs das antigas, Nação Zumbi, Led Zeppelin, Beatles, Frank zappa, Ben harper e a Dave Matthews band.

- SR: Vocês já haviam se conhecido anteriormente, ou se juntaram para fazer esse projeto específico?
- Paulo Henrique: Já nos conheciamos sim, eu já havia tocado com Wellen no Elefante Branco, num outro projeto em homenagem ao Barão vermelho, e já tive vários outros projetos com daniel, inclusive a Dona Chicá, nossa antiga banda.
- Daniel :  Eu e Paulo já fizemos várias projetos juntos, na verdade comecei em quase todos (rsrsr), mas sempre por algum problema saia e ele prosseguia, mas esse é o que estou mais empolgado, estamos mais maduros como pessoas e músicos também e tá sendo um prazer conhecer e tocar com Wellen também que é um músico magnífico.
-Wellen: Eu ja havia tocado com Paulo no Elefante Branco, banda na qual faço parte. Já Daniel, conheci através de Paulo, mas não tive a oportunidade de tocar com ele antes desse projeto, tivemos alguns ensaios e vi a sua abilidade com o baixo, o senso musical impressiona!, com certeza é um dos melhores musicos de Brejo Santo.
-SR: Paulo, você também tem um trabalho solo, conte mais sobre isso.
- Paulo Henrique: Isso mesmo, tenho um trabalho de composição que eventualmente vem se tornando cada vez mais forte. São músicas muito mais intimistas, acho muito interessante esse formato, mas devo confessar que me divirto muito mais com a banda. 

- SR: Como vocês veem o cenário musical hoje em Brejo Santo?
- Paulo Henrique: Cara, infelizmente com exceção da molecada que rala pra caramba pra conseguir realizar os seus projetos, tipo, o “rock in brejo”, e da galera que se junta todos os anos para realizar o “são rock”, mesmo com todas as dificuldades. Brejo santo não tem um cenário musical, mas todos estamos batalhando para que isso mude.
- Daniel: Eu vi e ouvi tocar muitos músicos bons aqui em Brejo, e tive a oportunidade de tocar com alguns deles, perderia a conta pra citá-los e tivemos aqui em Brejo tradição desde os tempos dos Hábeis, não os ouvi mas meu pai sempre me falou muito bem deles, e hoje com essa rapazeada nova surgindo acho que o que falta são festivais como lembro de muitos que haviam aqui, essa era a oportunidade de muita gente “botar as caras”, mostrar seu trabalho, acredido que tem muito carinha tocando sua violazinha e compondo suas pérolas. QUE VOLTEM OS FESTIVAIS.
-Wellen: No geral, a musicalidade de Brejo Santo esta firmada na cultura nordestina, com maior espaço para o forró que é o que mais se escuta desde então. Acho que falta mais oportunidades e valorização para outros gêneros musicais, entre eles, o rock que é muito mal visto pela sociedade.

- SR: Daniel, você está tocando contra-baixo agora, mas você tocou bateria anteriormente, inclusive com bandas em São Paulo. Por que a mudança? E nos conte um pouco como foi essa história com o Villas...
-Daniel: Como sempre conversei com Paulo, sempre achei que o instrumento era mais forte pra mim era o Contra-Baixo. Sempre tive uma certa facilidade em toca-lo, e está sendo bom voltar a tocar novamente, na verdade estou reaprendendo, me reeducando, mas confesso que tem horas que fico com vontade de tirar Wellen da batera e tocar a musica (rsrsrsr) mas estamos muito bem servidos de baterista. A História da banda Villas  foi meio que por acaso, assim como tocar bateria também, entrei na banda pra “quebrar um galho” pros caras já que o baterista havia faltado ao ensaio, mas depois do ensaio ficou decidido que eu ficaria na banda. A banda durou pouco mas teve uma intensidade muito forte, fizemos várias músicas, tinhamos uma referência de um Rock alternativo, ouviamos muito Golpe de Estado, o Rappa, Chico Science, e cada um levou pra banda suas influências, e ainda hoje tenho contato com os cara, e sempre pensamos em regravar todas essas músicas, mas a vida passou e as coisas mudaram e vieram outros projetos.

-  SR: Daniel, quais as suas influências?
-Daniel: Minhas influências são praticamente as mesmas de Paulo, acho que por isso cultivamos essa interação musical. Mas lembro-me também que comecei a escutar e admirar Rock com os meus pais, fãs dos Beatles e da jorvem guarda. Cresci escutando isso e mais tarde achei uma fita no caminhão que meu pai trabalhava e nela tinha algumas bandas nacionais como Legião, Paralamas, titãs, Ultraje entre outros, e daí as coisas foram acontecendo. Lembro-me de um dia estar escultando rock em meu quarto (Metallica na ocasião) e meu pai ter aberto a porta e me reclamar da musica que estava tocando e eu falei: Isso tudo começou com o Senhor meu pai(rsrsrs) até nisso tenho que agradecê-los.

- SR: De quem partiu a idéia do tributo?
-Daniel: Como Paulo já disse, isso vem de muito tempo, na verdade foi a primeira coisa que pensamos em fazer quando nos conhecemos, mas sempre faltava uma peça do quebra-cabeça, felizmente com a “descoberta” de Wellen as coisas estão se tornando mais claras, e nem peciso dizer que torço muito pra dar certo.

- SR: Daniel, você também compõe, como andam as suas composições?
-Daniel: Tenho composto muito ultimamente, e acredito que as músicas estão ficando mais “adultas”, mais coesas. Sempre me alertaram pra esse lado, mas nunca me empolguei muito com isso, mas até por respeito a inspiração, ao dom de Deus, tenho me dedicado mais, ou pelo menos tendo um pouco mais de carinho com as canções. A poucos dias postei uma música – NO FUNDO DO MEU CORAÇÃO - em breve vou postar outras canções pra que fiquem ai pra posteridade, e espero que as pessoas gostem.

- SR: Vocês pretendem colocar as suas composições na banda?
-Daniel: Não é essa minha intenção, mesmo porque o que componho não tem a ver com o trabalho. Mas como eu e Paulo compomos espero que possamos compor juntos algo que seja a nossa cara, a cara da banda.

- SR: Wellen, como está sendo para você essa mudança da pegada mais heavy para o reggae e os ritmos latinos? Você está sentindo alguma dificuldade?
-Wellen: Pois é, há uma grande diferença entre os dois estilos, sinto uma certa dificuldade pelo o fato de não ter o costume de tocar esse estilo, mas estamos tentando, e vamos ver no que vai dar.

- SR: Wellen, Você acha que esta experiência vai servir como um crescimento musical para você?
-Wellen: Com certeza. Até porque é algo novo pra mim e enriquece a minha bagagem como músico.

- SR: Wellen, Quais as suas influências, como batera?
-Wellen: Minhas influências vem do heavy metal, metal progressivo e algumas coisas do new metal, a maioria internacional, como exemplo: Dream Theater, Slipknot, Avenged Sevenfold e outros.

- SR: Como vocês imaginam que o pessoal vá reagir a primeira apresentação da banda?
- Paulo: Bom, esperamos que as pessoas gostem e que entendam a nossa iniciativa. Nós não somos um cover dos paralamas, nós estamos fazendo uma homenagem, e se tudo der certo, nós daremos continuidade a banda, futuramente, tocando várias outras coisas. A nossa intenção na verdade, é tocar, divulgar e levantar a bandeira da música brasileira e principalmente do nosso rock nacional.  

- SR: Nesse tributo vocês se apresentarão no formato power trio ou pensam também em incorporar ao projeto um naipe de metais, percussão, tecladista... tudo conforme o figurino?
- Paulo Henrique: Bom, tentaremos fazer tudo exatamente como tem que ser, já temos os metais, e se tudo der certo, logo, logo estaremos correndo atrás da percussão e dos teclados... mas, caso não consigamos, existe sempre aquele velho chavão do punk rock "Do it yourself", ou, "faça você mesmo". mais verdadeiro impossível, né?

- SR: Pra terminar, quais as expectativas de vocês para esse projeto?
-Daniel: Espero que possamos dar continuidade como tem sido, simples mas absoluto. E que os três continuem gostando de tocar juntos, preservando o espaço do outro porém opinando, querendo melhorar as músicas sempre, mas sem preciosismo, sem virtuosismo.  
 A Mátria em seu primeiro ensaio: 16.10.11

 Paulo Henrique: Guitarra e Voz.

  Daniel Zacarias: Baixo.
  Wellen Araújo: Bateria.



 




























VÍDEOS:

Reggra 3  - Advinha o quê?
Ao vivo na XXXVI Grande Vaquejada em Brejo Santo - CE, no dia 28 de agosto de 2005.

Reggra 3 - Eu sei
Ao vivo na XXXVI Grande Vaquejada em Brejo Santo - CE, no dia 28 de agosto de 2005.

Reggra 3 - Ainda é cedo
Ao vivo na XXXVI Grande Vaquejada em Brejo Santo - CE, no dia 28 de agosto de 2005.

Reggra 3 - Toda forma de amor
Ao vivo na XXXVI Grande Vaquejada em Brejo Santo - CE, no dia 28 de agosto de 2005.

Dona Chicá - Pense e dance - III São Rock


Elefante Branco - Pro dia nascer feliz - IV São Rock



Elefante Branco - Down em mim - IV São Rock



Elefante Branco - Porque a gente é assim? - Ensaio no que era pra ser o Núcleo de Arte e Cultura de Brejo Santo - 01.09.2010.


Banda de Música Olívio Lopes Angelim - Viva la vida - Ensaio
http://www.youtube.com/watch?v=xyIUauBvYP4


Banda de Música Olívio Lopes Angelim - I love you - Participação no 1º Festical de Música de Câmara Centro Sul e Vale do Salgado, em Icó - Ceará - 2008.
http://www.youtube.com/watch?v=Is8IBqGDi7A


Matérias relacionadas.

Ensaio do projeto em homenagem aos Paralamas do Sucesso
Portal Brejo Santo, em 21 de outubro de 2011.


Realizado o primeiro ensaio do projeto de músicos brejosantenses que homenageia uma das mais importantes bandas de rock do cenário nacional, “Os Paralamas do Sucesso”. Projeto esse que conta com os músicos: Paulo Henrique (guitarra e voz), Daniel Zacarias (Baixo), Wellen (bateria), Agnete (trompete) e Aglécio (sax). O ensaio aconteceu no domingo 16/10/11.

Ainda sem nome, provisoriamente, o grupo objetiva mostrar ao público todas as facetas desta que é a banda mais latina do nosso rock brasileiro.





Valorize nossa cultura local:
Blog da Banda de Música Maestro Olívio Lopes Angelim: http://bandaoliviolangelim.blogspot.com


Blog especializado nOs Paralamas do Sucesso para download de bootleg's:
SELVAGERIA - Paralamas Bootlegs: http://selvageriaparalamasbootlegs.blogspot.com/



Por Bruno Yacub

Divirtam-se!!!

e-buddy - acesse MSN, FACEBOOK, GOOGLE TALK e outros